quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Se o espiritismo tivesse uma missa...



O ápice da missa católica é quando o padre tem a hóstia e o vinho transformados (leia-se: transubstanciados) em carne e sangue de Jesus. Conclui-se que, para o Cristianismo oficial, a atitude mais importante de Jesus foi o sacrifício de sua existência corpórea, o "dar a própria vida" em favor de muitos. Sobre isso se constrói toda a teoria do cordeiro de Deus, sacrificado para santificar o povo, ter seus pecados perdoados. 

Bem, no espiritismo, se tivesse uma missa, não teríamos vinho. Seria água. A água subiria ao altar para saciar a sede de quem trabalhou. E, no momento mais sagrado, ela seria transubstanciada em suor do Cristo. É porque, para nós, não é a singularidade da morte (e ressurreição) de Jesus que mais importa. Importa! Claro que importa! Todavia, importa muito mais todas as horas que passou aqui servindo ao próximo, suportando perseguições de governadores, intrigas de sacerdotes, incompreensões de apóstolos, traições. 

Isso demonstra bem a diferença capital entre nossos cristianismos. Define nossa heresia

A primeira concepção te oferece uma visão da salvação que passa necessariamente pela aceitação daquela morte do inocente para que, a partir dela, você renasça santificado. A nossa concepção nos oferece uma visão da salvação que percorre a luta diária para o despojo de nossas imperfeições rumo ao modelo maior de trabalhador, o suor mais puro, a imitação de Cristo. O renascimento se fará tantas vezes quantas forem necessárias para se chegar a uma perfeita imitação, contando, para isso, cada gota de suor (olhos também suam) derramada nesse caminhar.

Quando se pode colocar a hóstia na boca? Ao aceitar a divindade de Cristo e seu sacrifício. Sendo um bom cristão. Contudo, a verdadeira aceitação incita a bondade. 

Quando se poderia beber a água? Depois de muito trabalhar, dia e noite, sacrificando, por vezes, horas de lazer, a fim de construir o Reino de Deus na Terra, em nós. O esforço da bondade constrói a verdadeira aceitação.