Livrinhos

JESUS, O MODELO

O que isso significa para o espírita? Não é possível entrar no mundo ocidental sem saber quem foi Cristo. Estando no Ocidente, não é possível se conhecer sem entender qual o peso (ou a leveza) que a vida de Cristo imprime sobre a sua. Esse livrinho pretende, olhando para as etapas da vida de Jesus, esboçar as lições que fazem sombra sobre as nossas etapas. Convido, de forma rápida, então, para ressignificar em nossas vidas o nascimento de Jesus até sua ressurreição.





OS 10 MAIS DE POR UMA FILOSOFIA ESPÍRITA

Após quatro anos de blog, pude selecionar as dez postagens que mais geraram acessos e envolvimentos. Este apanhado provou algo: que as pessoas precisam de uma filosofia do cotidiano, que as ajude a entender as coisas do aqui e agora. Os temas vão desde microcefalia até Naruto, de Nietzche ao diálogo possível com um jovem pensando em suicídio. Finaliza com a entrevista que fiz a um amigo homossexual. Espero contribuir para o engrandecimento de quem leia. Gratidão, desde já!



CARTA PARA LUC FERRY: SOBRE ESPIRITISMO

Em sua autobiografia intelectual, Luc Ferry considerou uma comparação menor a que fizeram entre seu pensamento e o espiritismo. Essa carta se utiliza do esquema de explicação deste filósofo sobre as grandes doutrinas para esclarecer o que é a doutrina referida. Esta é uma breve introdução ao pensamento espírita através do pensamento de Luc Ferry.


O CÃOZINHO DE JESUS

Primeira de dez poesias que recontam cenas evangélicas acrescentando animais como personagens. Busco trazer as crianças para a intimidade das cenas. Nesta aqui, começamos com Jesus e um fiel cãozinho, como todo garoto sempre quis ter

 

A AVEZINHA DE MARIA

A cristandade aprendeu a chamar Maria pelo Ave. Não teria a própria Maria uma ave do lado? Uma Maria que canta quando o sol nasce, que tem pelo filho o amor de ninho, rápida para voar em seu socorro. As boas mães sempre tiveram para mim aquela imagem de alguém que voa ao mundo em busca de alimento para colocar na boca de seus passarinhos que deixou em casa. Nesta poesia busquei desenhar Maria em um cotidiano tão perto do nosso que quase deitei em seu colo.  Por que não, em oração?

 
 
A GATINHA DE MAGDALA

Maria Madalena é uma figura misteriosa. Traz a beleza da mulher e a sedução da conquista. Em Madalena aparecem os símbolos de uma personagem que não teme a sociedade, suas normas, seus entraves, e por isso pode ir além dela. Mas, se não vai no rumo certo, se perde no mundo vasto. Todos nós temos Madalena no peito. A conversão de todo o poder que ela traz para Jesus fala ao nosso íntimo como deveríamos nortear nossas mais caras paixões. Elas não são más em si, falta-lhes o governo certo.  

 
A TARTARUGUINHA DE PEDRO

Pedro era um velho, diferente de tantos jovens que seguiam Jesus. Já há mais sabedoria e menos futilidade numa homem assim. O peso de todos os dias que passaram deve ter lhe ensinado a buscar pisar solo firme. Nesta poesia, Pedro, que é a pedra da futura igreja de Cristo, é colocado em plena água, incapaz de salvar a si mesmo. É uma lição de Jesus que nos leva, por vezes, ao fundo do poço, para lá enxergarmos nossas verdadeiras necessidades, nossa mais íntima identidade.

 
AS OVELHINHAS DE JOSÉ

Devo lhes contar que esta é a poesia que mais me comove. Coloquei meu pai em José. Ele é um homem bom, justo, trabalhador, protetor da família. As casas de hoje sentem falta de um pai assim. Busco sê-lo todos os dias, mancando mas perseverando. Papai quase morreu em meus braços, peito apertado de infarto. Tão logo entreguei-lhe ao médico, descansou. Deixou-me toda nossa história de amor que forjou meu caráter para sempre. Essa poesia quase fala de José, se não falasse tanto de meu pai. Sinto que é assim que temos de ler o evangelho: como se quase falasse da gente.